Pages

sexta-feira, 18 de setembro de 2009

Passe eu por ele ou passe ele por mim.

Discutem alguns se nós passamos pelo tempo ou se o tempo passa por nós. A verdade é que um dia despertamos e percebemos - sem importar se a discussão sobre o tempo é uma questão semântica ou cientifica - que as coisas mudaram.

Os amigos de infância, na sua maioria, não estão mais próximos. As brincadeiras de rua, antes tão leves e inocentes, já não existem mais. Professores e professoras tão importantes em nossas vidas já se foram. Preocupações nunca antes sentidas começam a rondar nossas cabeças...

Mudou a economia, mudou a política, mudou o ensino, mudou a forma de nos comunicarmos, o mundo ficou menor, mas paradoxalmente o distanciamento entre as pessoas aumentou.

E nossos pais? Como não conseguimos enxergar que eles estavam envelhecendo e não lhes demos a atenção merecida? Como? Por que não soubemos aproveitar todo seu carinho, suas experiências e, principalmente, seu amor por nós?

E os filhos? Os filhos já cresceram, onde estávamos que não percebemos isso? Onde estávamos quando eles chegavam de mansinho perguntando: Vamos brincar? Como se escrever papai eu te amo, ou mamãe eu te amo? Lendo jornal? Assistindo TV? Em frente ao computador? Ocupados com o que?

E os amigos? Os realmente amigos, aqueles que entramos em sua casa e já vamos abrindo a geladeira. Onde estão eles? Existem ainda?

Onde eu estava esse tempo todo? Onde eu estava que não percebi o tempo que estava perdendo? Não sei, mas não vou perder tempo tentando encontrar explicações para saber onde eu estava esse tempo todo. Vou procurar usar o tempo que me resta para fazer do tempo um aliado. Vou procurar aproveitar para fazer, pelo tempo que tenho, o que durante tanto tempo não fiz.

3 comentários:

RE disse...

Chegou na hora certa a refelxão!!
QUE BOM!!!

εïз mi disse...

muito bom, pai.

"Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas, que já tem a forma do nosso corpo, e esquecer os nossos caminhos, que nos levam sempre aos mesmos lugares. É o tempo da travessia: e, se não ousarmos fazê-la, teremos ficado, para sempre, à margem de nós mesmos".

Fernando Pessoa

Jr disse...

É isso Mi. Filha amada de pai, sempre é tempo de começar, ou recomeçar. O bom é quando se percebe isso em tempo de fazer alguma coisa, como diz uma música de Nando: enquanto estou aqui!
Te amo Filha, muito!