Pages

segunda-feira, 17 de agosto de 2009

A cobra que parou o trânsito!

A viagem seguia tranquila apesar da necessidade de evitar alguns buracos na estrada que liga Cajazeiras a São João do Rio do Peixe. O clima quente do sertão paraibano não era sentido graças ao ar condicionado, que mantinha a temperatura no interior do veículo sempre agradável. Alias, começo a dar razão a Clóvis Nunes, renomado pesquisador de fenômenos paranormais e Coordenador Nacional do Movimento Internacional pela Paz e Não-Violência - MOVPAZ, que afirma ser o ar condicionado para carros uma das maiores invenções do homem moderno.

O objetivo da viagem era participar do lançamento da Pedra Fundamental de um novo Templo Maçônico jurisdicionado ao GOEPB em João do Rio do Peixe e logo em seguida retornar para inaugurar outro Templo Maçônico na cidade de Marizópolis. Além do Grão-Mestre do Grande Oriente Estadual da Paraíba, Aderaldo Pereira de Oliveira, faziam parte da comitiva: Newton Figueiredo, Delegado da 5ª Circunscrição do GOEPB, José Airton e Agostinho Neto, proprietário e condutor da camionete que nos levava. Não estávamos atrasados, mas o tempo era curto e ainda iríamos, Aderaldo e eu, retornar para João Pessoa, distante cerca de 500 km.

No carro a conversa girava em torno de realizações, da vontade de fazer, da possibilidade de uma pessoa sensibilizar outras com suas atitudes em favor de algo importante. E o tempo corria...

Corria, mas não impediu que Neto freasse repentinamente o carro - parando meio no asfalto, meio do acostamento - ao ver um caminhão que vinha no sentido contrário. Fiquei um pouco surpreso porque o caminhão vinha em sua faixa, em baixa velocidade e aparentemente não oferecia qualquer tipo de perigo. Abrindo a porta e acenando freneticamente para o motorista do caminhão ele revelou o motivo da parada intempestiva: uma cobra! O que pensávamos ser um galho de árvore meio amarelado caído no asfalto, era na verdade uma cobra que atravessava lentamente a estrada. Neto queria salvá-la da morte certa por atropelamento.

Meio confuso o motorista do caminhão perguntava:

- É para passar por cima?

- Não, não! É para você parar que vou tirá-la de lá.

E saiu procurando, ai sim, um verdadeiro galho de árvore para afastar a cobra. A dita cuja, sem saber das verdadeiras intenções das investidas, tentava se defender das “cutucadas” atacando seu salvador.

O trânsito ficou parado nas duas faixas, a camionete parcialmente parada na pista dificultava a passagem na direção que trafegávamos. Ao nosso lado um senhor numa moto, pensando o óbvio, perguntava ao motorista de um carro parado em sentido contrário ao nosso: foi acidente?

Não, não foi acidente. Foi uma resposta clara para o que conversávamos!

Quando queremos algo, quando existe de fato a decisão de realizar, simplesmente tomamos uma atitude. Saímos do plano das idéias para o plano das realizações por meio de ações concretas, com foco na meta traçada. O planejamento, a idéia, é a base de tudo, afinal tudo que existe, existe primeiro no campo das idéias, mas apenas desejar não é suficiente!

Quantas idéias brilhantes, quantos projetos bem elaborados não saem do plano da imaginação? Muitos! Pelo menos comigo, isso acontece. Não raro isso acontece por dois motivos: (1) não observamos uma regra muito simples e conhecida de muitos: a regra 90/10 e (2) não atentamos para uma lição dada George C. Marshall, General do Exército e Secretário de Estado dos EUA, famoso por ser autor do Plano Marshall, de ajuda à reconstrução da Europa devastada após a guerra de 1939-1945: “Os pequenos atos que se executam são melhores que grandes atos que apenas se planejam”.

Do pensamento à ação concreta (salvar a cobra) Neto não levou mais que poucos segundos: pensou, buscou os meios - no caso um simples galho - foi lá e salvou a cobra!

Atitude de quem quer fazer. Simples assim!

8 comentários:

Anônimo disse...

Grande Junior! Realmente, entre ter a idéia e tomar uma atitude, faz todo o diferencial na vida das pessoas. No novo cenário mundial em que vivemos, ter atitudes é poder se manter no mercado.

[]s

Oswaldo

Anônimo disse...

Muito bom texto!Nesse mundo moderno a inicitaiva está bem ausente, tudo fica no plano da imaginação!!!

Anônimo disse...

Muito bom texto!Nesse mundo moderno a inicitaiva está bem ausente, tudo fica no plano da imaginação!!!
Abs
Daniele

Damon disse...

Junior, é com alegria que recebi e li o texto, tem muito a ver com a nossa vida no dia a dia, no sentido de que somos o que pensamos e seremos melhores se colocarmos nossos pensamentos (pensamentos bons) em pratica, para que com atitude, tornemos o mundo que esta a nossa volta melhor.
Quando fui morar na Paraíba não obtive riquezas materiais mas em compensação obtive amigos que são pessoas valiosas como vc, Inácio e José Roberto Siqueira Vidres (pediatra aposentado, meu vizinho de apto. em João Pessoa) cada qual contribuindo com sua experiência de vida para com a minha.
Abs. e meus parabéns pelo blog (já vou colocar nos meus favoritos)
Damon

EDMILSON GARCIA disse...

Realmente:

Parabens, Jose Claudio Jr. Precisamos pensar, e logo após agir mos,

Edmilson Garcia
engarcia@itelefonica.com.br

Anônimo disse...

Bom Dia, Cláudio Jr!!! Quanto tempo!!!! Que bom receber notícias suas!!!
Bem... quanto ao texto achei excelente e concordo no quesito que deveremos ter mais atitude, principalmente quando temos a certeza que estamos fazendo o bem.

Abraços

Neile Cristina

εïз mi disse...

bacana tomar atitude, né? mas era uma cobre e, em se tratando de cobras, eu sou um ser irracional e histérico! rs

CORRINHA disse...

Caro Jr.

Quero te parabenizar pelo seu blog. Estou me deleitando nele e aprendendo muito.
Abraço Fraterno!
Socorro Praxedes